BLOG

A atuação do BiotechTown no enfrentamento à Covid-19

BiotechTown enfreta Covid-19

A atuação do BiotechTown no enfrentamento à Covid-19

Por meio de sua infraestrutura, conexões e know-how, o BiotechTown tem atuado para trazer ao mercado soluções que combatam a doença

 

Há cerca de um ano a pandemia de Covid-19 chegou ao Brasil. Desde então se evidencia cada vez mais a necessidade de fomentar o avanço de tecnologias e soluções que cuidem da saúde das pessoas e ajudem a frear a disseminação do vírus.

Neste cenário, o BiotechTown se destaca por ser um hub voltado para biotecnologia e ciências da vida com estrutura que apoia iniciativas de qualquer porte, de pesquisadores startups a empresas consolidadas, em todas as suas fases.

Especificamente no combate à Covid-19, o BiotechTown se posiciona na linha de frente e tem atuado para trazer ao mercado soluções que combatam a doença. Conheça a seguir algumas áreas de atuação e fomento do hub contra o vírus.

 

CMO

Recém-inaugurado, o CMO (Contract Manufacturing Organization) foi criado para desenvolver lotes-pilotos e lotes comerciais de produtos para a saúde em escala industrial e de forma exclusiva e customizada. O CMO opera sob demanda ou por aluguel de espaço e equipamentos por tempo determinado

A unidade viabiliza possibilidades de produção, envase e embalagem de kits diagnósticos de Covid-19. Se tratando de testes rápidos, o CMO oferece todos os equipamentos para a necessários à produção.

CMO no enfretamento à Covid-19

O CMO pode desenvolver lotes-pilotos e lotes comerciais de produtos para a saúde

 

Open Lab

“O Open Lab do BiotechTown é um espaço com infraestrutura laboratorial compartilhada capaz de realizar ensaios e experimentos, elaborar e executar projetos de PD&I sob demanda e ainda disponibiliza sua estrutura no modelo de aluguel, para utilização por tempo determinado. A unidade conta com quatro laboratórios: microbiologia, biologia molecular, inovação tecnológica e cultivo celular.

Além disso, com toda a estrutura necessária para as exigências regulatórias operacionais, como salas para descontaminação, lavagem e esterilização de materiais, depósito de material de limpeza, abrigo de resíduos e descarte.

Equipado com o que há de mais moderno em instrumentação científica, com tecnologia Thermo Fisher Scientific, o laboratório de biologia molecular permite o desenvolvimento de testes moleculares para detecção do material genético do coronavírus.

Open Lab no enfrentamento à Covid-19

O Open Lab permite o desenvolvimento de testes moleculares para detecção do material genético do coronavírus.

 

No Open Lab ainda é possível desenvolver projetos para fazer o monitoramento das variantes circulantes por meio de sequenciamento e, com o leitor de ELISA, desenvolver imunoensaios para detecção do anticorpo contra coronavírus ou para detecção do antígeno da doença.”

 

Startups

Além da sua estrutura física, o BiotechTown dedica seu know-how a lutar contra a Covid-19 e buscar novas formas de combater a doença. Indiretamente, por meio do seu portfólio de startups, auxilia na produção de kit diagnósticos e insumos para a produção de soluções. Conheça as iniciativas das startups investidas e aceleradas pelo BiotechTown:

Aclin

A Aclin é a startup criadora do Aclin-Check, dispositivo multifuncional que calibra equipamentos médico-hospitalares. O aparelho é capaz de realizar a aferição de acordo com as normas exigidas pelos órgãos reguladores em mais de 300 equipamentos.

Em 2020, no início da pandemia, o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) estabeleceu parcerias com grandes indústrias do país para reparar ventiladores mecânicos para pacientes de Covid-19. À época, o Ministério da Saúde estimava que havia mais de 3 mil equipamentos danificados e sem condições de uso.

Por ser uma referência em Minas Gerais, a Aclin foi procurada para participar desta ação e, de forma voluntária, doou cursos aplicados e cedeu os dispositivos para que os profissionais técnicos pudessem, pela primeira vez, diagnosticar solucionar e reestabelecer ao uso as tecnologias fundamentais para o suporte à saúde em meio à pandemia.

O destino de todos os ventiladores mecânicos do estado de Minas Gerais e de alguns de outros estados é a fábrica da Fiat Crysler Automobiles, em Betim, e o Centreo de Inovação e Tecnologia (CIT Senai), em Belo Horizonte, onde utilizam o Aclin-Check. Além disso, a tecnologia da Aclin foi estendida para outra fábrica da Fiat, em Pernambuco, onde reparam os equipamentos da região.

Aclin no enfrentamento à Covid-19

Equipe de manutenção dos ventiladores mecânicos utilizando o Aclin-Check

 

Logo, em todo o Brasil, parte dos hospitais de referência receberam na linha de frente visita de profissionais que utilizam o Aclin-Check para realizar a inspeção das tecnologias médicas ali mesmo, na beira do leito dos CTIs, nas salas de cirurgia e nos pronto-socorros. Essa ação diagnosticou e direcionou os esforços dos hospitais rumo ao atendimento mais seguro dos pacientes e garantiu melhores condições de trabalho para as equipes médicas.

Atualmente, quase um ano após seu início, a ação do SENAI já terminou, mas algumas empresas continuaram efetuando a manutenção de ventiladores mecânicos com a tecnologia Aclin-Check.

 

Cepha Biotech

A Cepha Biotech surgiu em 2020 por meio de uma parceria entre a Fiocruz Minas e a Visuri, com o intuito de viabilizar o diagnóstico molecular point-of-care da Covid-19. A startup desenvolveu o OmniLamp, a princípio um dispositivo para detecção de arboviroses (dengue, zika, chikungunya) e leishmaniose, que em abril de 2020, com a pandemia, foi adaptado para diagnosticar Covid-19, sendo um dos primeiros dispositivos para teste do mundo.

Cepha no enfrentamento à Covid-19

OmniLamp, dispositivo desenvolvido pela Cepha para diagnóstico da Covid-19

Chamado de OmniLamp, o dispositivo pode ser utilizado em qualquer lugar e oferece resultados com a mesma precisão da técnica RT-PCR (reação em cadeia polimerase) – considerada padrão ouro para Covid-19– com menos tempo e menor custo, sem a necessidade de infraestrutura laboratorial. O teste é realizado com RNA extraído do swab (cotonete que coleta o material da nasofaringe) que é então transformado em DNA e a amplificado milhares de vezes a uma temperatura fixa de 65ºC por um intervalo de cerca de 40 minutos.

O dispositivo é controlado por um aplicativo de celular, que realiza a interpretação do resultado de forma automática. O sistema pode ainda enviar os resultados para uma nuvem remota de dados que emite o laudo do diagnóstico para o paciente. O grande diferencial do OmniLAMP é que ele é o único aparelho do mundo que efetua 5 testes simultâneos em apenas 40 minutos.

A especificidade do método utilizado pelo OmniLAMP é, comprovadamente, 100%, ou seja, não existe falso positivo. Já a sensibilidade é de 97% em amostras de RNA extraído.

A CEPHA Biotech já está trabalhando em uma atualização que permitirá ao OmniLAMP efetuar diagnósticos a partir de amostras de salivas e utilizará o Open Lab do BiotechTown para fabricar insumos.

 

Recombine Biotech

A Recombine Biotech atua na produção de kits diagnósticos e no desenvolvimento de tecnologias baseadas em recombinantes. Desde junho de 2020, com o apoio do BiotechTown, da Finep (Financiadora de Estudos e Projetos) e da Universidade Federal de Viçosa (UFV), tem trabalhado na produção de um kit diagnóstico para Covid-19, que se encontra em fase avançada de testes.

O planejamento para este kit é que até abril os primeiros protótipos sejam testados para gerar um relatório técnico e submetê-los à ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Com a validação do órgão, ele pode ter sua comercialização iniciada.

Durante o processo de produção para o kit, vislumbrou-se a oportunidade de produção de um biofármaco que atuaria bloqueando a ligação do vírus à célula humana. Essa molécula apresentou resposta de ligação à proteína Spike do vírus e agora deve ser testada a capacidade da ligação em neutralizar o vírus.

Para prosseguir com os testes, a Recombine, com o apoio do BiotechTown, está à procura de parceiros tecnológicos e investidores.

 

Rheabiotech

A Rheabiotech é uma startup que produz kits diagnósticos para as áreas de saúde humana, agrícola e veterinária, além de fornecer insumos para o desenvolvimento de kits de terceiros ou para pesquisa e desenvolvimento.

No início da pandemia do coronavírus, surgiu no Brasil uma grande necessidade de fomento e desenvolvimento da produção nacional de insumos, especialmente no caso de diagnósticos. Desde então, a Rheabiotech tem sido uma forte fonte de insumos para o mercado nacional, fornecendo a vários grupos anticorpos secundários e conjugados para produzir kits diagnóstico.

A Rheabiotech é parte do ecossistema que está trabalhando para produzir um kit diagnóstico nacional para utilização nos sistemas de saúde público e privado. Dentre os kits que contam com material da empresa, existe um que é inteiramente composto por anticorpos nacionais. O produto já possui resultados de sensibilidade do kit e está em fase final de validação, passando por testes de especificidade.

 

Parcerias

CT-Vacinas

O BiotechTown expande o alcance de suas iniciativas por meio de alianças estratégicas. Recentemente, o hub firmou uma parceria com o Centro de Tecnologia de Vacinas. Referência nacional no setor, o CT-Vacinas é um centro de pesquisas em biotecnologia, voltado para o desenvolvimento de novas tecnologias ligadas à produção de kits de diagnósticos e vacinas. Resultado de uma parceria estabelecida entre a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), o Instituto René Rachou da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz-Minas) e o Parque Tecnológico de Belo Horizonte (BH-TEC), o centro abriga os pesquisadores destes órgãos que se destacam em contexto nacional e internacional.

A proposta de valor da parceria é levar novas soluções ao mercado, aliando estruturas laboratoriais e de produção a conhecimento e competências científicas. A união das excelências intelectuais e das infraestruturas desses dois parceiros irá viabilizar maiores possibilidades de sanar os gaps das startups e empresas que estão, de alguma forma, ligadas ao hub BiotechTown e ao centro de pesquisas CT-Vacinas.

Os Professores Dr Flávio Guimarães e Dra Santuza Teixeira, representantes do CT-Vacinas, selam a parceria ao lado do CEO do BiotechTown, Bruno Andrade

 

Além de promover maior poder de desenvolvimento e de produção, essa parceria prevê um novo canal de apoio no caminho da inovação da academia até o mercado, possibilitando a geração de novos negócios com acesso a recursos para pesquisadores e empresas.

 

Quer saber mais sobre inciativas do BiotechTown? Assine nossa newsletter.

    Compartilhe este post:


    Receba nossos materiais

    Para receber informações e novidades sobre o BiotechTown, escolha o assunto e cadastre seu e-mail.