Sobre o Câncer de Mama

Na foto cinco mulheres estão juntando suas mãos no centro da foto. Todas as mulheres estão vestidas de rosa

Sobre o Câncer de Mama

 

De acordo com a estimativa de câncer no Brasil produzida em 2017 pelo INCA (Instituto Nacional de Câncer) e pelo Ministério da Saúde, o câncer de mama foi o tipo da doença que mais matou mulheres no país durante aquele ano. Já em 2018 foi estimado que 59.700 novos casos de mulheres com câncer de mama surgiriam a cada ano do biênio 2018 e 2019.

Por isso, é essencial o compartilhamento de informações sobre o tema e o incentivo à prevenção dessa doença.

Na foto cinco mulheres estão juntando suas mãos no centro da foto. Todas as mulheres estão vestidas de rosa

 

Como surge o câncer de mama?

O surgimento de células defeituosas na região das mamas leva à formação de tumores, tanto em mulheres como em homens (estes em casos mais raros). A maior parte desses tumores são benignos, não se espalham para outras partes do corpo e não são fatais.

Os cânceres de mama são classificados de acordo com seu local de origem, sua extensão e seu potencial de avanço, informações que podem ser detectadas a partir de biópsias.

Segundo o INCA, o câncer de mama possui uma letalidade relativamente baixa, mas sua taxa de mortalidade é alta, assim como a sua incidência. Por isso a sua prevenção é extremamente importante.

Entenda de forma mais detalhada o que é câncer e suas prováveis causas

 

Como prevenir?

Na prevenção do câncer de mama é fundamental conhecer o próprio corpo e estar sempre atenta aos diferentes sinais que ele transmite. É essencial fazer os exames de prevenção anualmente e, após os 40 anos de idade, realizar também mamografias anualmente. Além disso, caso perceba alterações em suas mamas, consulte um médico especialista.

Além disso, manter hábitos saudáveis podem prevenir cerca de 30% dos casos de câncer de mama. Por isso:

  • Se alimente de forma saudável,
  • Pratique atividades físicas regularmente,
  • Evite o sobrepeso,
  • Evite o consumo de bebidas alcoólicas e o tabagismo,
  • Evite o uso de hormônios sintéticos por longos períodos (anticoncepcionais e terapias de reposição hormonal).

A amamentação também ajuda na prevenção do câncer de mama, pois o movimento do leite durante a sucção promove uma esfoliação do tecido mamário e faz com que células defeituosas sejam eliminadas. Além disso, as taxas de alguns hormônios que favorecem o desenvolvimento de câncer de mama caem durante a lactação. Quanto maior for o período de amamentação, maior a proteção para a mãe, além de todos os benefícios para o bebê.

 

Tipos mais comuns de câncer de mama:
  • Ductal In Situ: é o tipo mais comum de câncer de mama não invasivo. Começa nos ductos que transportam o leite para o mamilo e não atinge outros tecidos.
  • Ductal Invasivo: é o tipo mais comum de câncer de mama invasivo. Também começa nos ductos que transportam o leite para o mamilo. Pode crescer localmente ou se espalhar (metástase) para outros locais do organismo por meio da circulação sanguínea e do sistema linfático.
  • Lobular In Situ: se desenvolve nas glândulas que produzem leite materno, mas não atinge outros tecidos.
  • Lobular Invasivo: segundo tipo mais comum de câncer de mama invasivo. Também começa nas glândulas que produzem leite materno, mas pode atingir outros tecidos.

 

Tipos menos comuns de câncer de mama
  • Carcinoma inflamatório: se desenvolve quando os ductos linfáticos são bloqueados por células tumorais, ocasionando a inflamação da mama.
  • Doença de Paget: começa no ducto mamário, atingindo a pele do mamilo e a aréola. É um tipo raro, podendo apresentar inflamações no mamilo ou, até mesmo, ser assintomático.
  • Angiosarcoma: esse tipo começa nas células que revestem os vasos sanguíneos ou vasos linfáticos.
  • Filódicos: é um tipo muito raro. Se desenvolve no tecido conjuntivo da mama (estroma).

 

Sintomas e tratamento:

O câncer de mama pode apresentar sintomas como dor no peito ou nos mamilos, inchaço total ou parcial de um seio, inchaço nos linfonodos e alteração nos mamilos (retração, excreções anormais de líquidos ou aspecto avermelhado, seco, descamando ou espesso). A formação de nódulos também pode ser um sintoma do câncer de mama, mas não somente nos seios. Nódulos nas axilas e no pescoço também podem ser um sintoma.

Devido às características únicas de cada pessoa, a estratégia de tratamento irá variar de acordo com o paciente e com o estágio de evolução da doença. Os tratamentos podem ser divididos em locais (cirurgia ou radioterapia) ou tratamentos sistêmicos (quimioterapia, hormonioterapia e terapia biológica).

Em casos mais avançados, com possível ocorrência de metástase, o tratamento tem como objetivo prolongar a sobrevida do paciente.

 

Se detectado em fase inicial, a probabilidade de que tratamentos menos agressivos tenham sucesso é maior. Por isso, a conscientização para este tema é de grande importância!

 

Compartilhe esse texto para que essas informações cheguem a mais pessoas.

 


Leia também:

8 de maio – Dia Mundial do Câncer de Ovário

Os desafios de empreender em biotecnologia e ciências da vida


Fonte:

cancer.org
femama.org.br/2018/br/noticia/tipos-de-cancer-de-mama
inca.gov.br

Compartilhe este post:
voltar